logo-branco.png

14 de abril de 2024

Decisão de Jorginho de ir a Brasília teve telefonema de Tarcísio e aval das bancadas do Partido Liberal

Até o início da tarde desta segunda-feira a posição do governador Jorginho Mello (Partido Liberal) era não atender o chamado do presidente Lula (Pt) para uma reunião dos governadores em Brasília para tratar da resposta aos atos golpistas promovidos por manifestantes bolsonaristas no domingo. A mudança de posição acabou sendo construída ao longo da tarde.

Tudo começou com a chegada do convite oficial, por volta do meio-dia, seguido de um telefonema de um interlocutor do Planalto. Na sequência, governadores eleitos na esteira da votação do ex-presidente Jair Bolsonaro (Partido Liberal) começaram a articular a melhor posição diante do convite. O governador paulista Tarcísio de Freitas (Republicanos), que inicialmente também anunciou que não iria a Brasília, telefonou para Jorginho. Definiram que o melhor era encontrar Lula e participar das decisões que fossem tomadas – nem que seja para expressar discordância. Outros governadores, como o mineiro Romeu Zema (Novo) e o paranaense Ratinho Junior (Psd) também foram contatados.

Na sequência, Jorginho buscou as bancadas do Partido Liberal em busca de unidade de discurso. Defendeu a tese de representar Santa Catarina no encontro com o presidente. Outro argumento na mesa foi a prisão de catarinenses entre os manifestantes.

Deu resultado. Jorginho conseguiu o aval da bancada – importante para evitar alguma fissura na relação logo no começo do mandato. O deputado estadual reeleito Sargento Lima, um dos maiores defensores das manifestações nos quarteis entre os eleitos, foi às redes sociais defender o encontro de Jorginho com Lula. Aproveitou para alfinetar o ex-governador Carlos Moisés (Republicanos).

– Estou muito feliz e contente com a ida de nosso governador a Brasília, após boa conversa com as bases estaduais, diferente do outro governo que não ouvia seus deputados. A conclusão é que o momento é de cobrança. (…) Lugar de governador é lá, em Brasília cobrando e buscando o melhor para o Estado, independente quem esteja lá, sentado na cadeira – disse Lima em um longo texto (leia a íntegra).


Sobre a foto em destaque:

Jorginho e Tarcísio haviam se encontrado em evento no final de semana em Balneário Camboriú. Nesta segunda-feira, falaram por telefone. Foto: Eduardo Valente, Secom.

COMPARTILHE
Facebook
Twitter
LinkedIn
Reddit

Anúncios e chamada para o mailing