logo-branco.png

23 de maio de 2024

Político habilidoso não faz inimigos

Quando se perde uma eleição (ou se ganha) por um número pequeno de votos, muitos podem ser os motivos que levaram a esse resultado. A eleição de 2002, em Santa Catarina, quando Luiz Henrique venceu Amin por pouco mais de 20 mil votos, tem vários desses fatos pitorescos.

Um deles ocorreu com o hoje deputado federal Ismael dos Santos, do PSD.

Ismael foi candidato a deputado estadual pelo PSB e foi o mais votado do estado, com 59.566 votos, mas não se elegeu porque o partido não alcançou o coeficiente eleitoral. Só para se ter uma ideia, o deputado eleito mais votado foi Nelson Goeten, do PP, com 56.327 votos.

Naquele ano o ex-governador do Rio de Janeiro, Antony Garotinho, disputou a presidência pelo PSB, com apoio dos evangélicos. Foi o terceiro mais votado em Santa Catarina, com mais de 370 mil votos.

Ismael, como é evangélico e filho de uma das mais tradicionais famílias assembleianas do Estado (seu pai, Nirton do Santos, já falecido, foi presidente das Assembleia de Deus em Santa Catarina e sudoeste do Paraná. Hoje o presidente é seu irmão, Nirtinho), se aproveitou da onda e fez uma grande votação.

Entre o primeiro e o segundo turno, ele falou com o então governador Esperidião Amin, que concorria à reeleição, e foi claro. Ofereceu seu apoio e consequentemente dos assembleianos em troca da Secretaria de Bem-estar Social.

Amin, liderando todas as pesquisas e favorito para vencer a eleição, teria lhe respondido que não lotearia seu Governo em troca de apoios. Ismael então foi no candidato do MDB, Luiz Henrique, que, obviamente, aceitou a proposta e selaram o acordo.

Ele era vereador de Blumenau. Foi eleito o mais votado em 2000, com 3.324 votos. E aí temos outra curiosidade. O hoje conservador Ismael foi eleito pelo PT. Luiz Henrique venceu a eleição e Ismael já estava preparando o terno para a posse como secretário de Estado do Bem-estar Social, quando um fato inusitado aconteceu

Embate

No final de 2002 teve uma disputa para a presidência da Câmara de Blumenau. Luiz Henrique pediu para Ismael votar em determinado vereador e ele não fez, por já ter empenhado sua palavra com outro candidato. Brigaram feio e Ismael acabou não sendo nomeado secretário de Bem-estar Social. O escolhido foi outro assembleiano: Evaldino Leite, que concorrera ao Senado, na coligação de Garotinho, fazendo pouco mais de 90 mil votos.

Em 2004, já no PL, Ismael disputou a Prefeitura de Blumenau e ficou em terceiro lugar com apenas 12% dos votos. Sem mandato, aproximou-se de Raimundo Colombo, que se preparava para disputar o Senado em 2006, e passou a percorrer o estado, como seu motorista e assistente.

Como políticos vitoriosos não fazem inimigos, em 2006 Luiz Henrique teve a oportunidade de se redimir com Ismael dos Santos. Ele disputou uma vaga na Alesc, na coligação MDB/PFL, ficando na sétima suplência. Essa coligação elegeu 17 deputados e ele foi o 24º, com 25.938 votos.

Luiz Henrique foi reeleito e tratou de arrumar espaços para os suplentes. Chamou alguns deputados e outros suplentes para ocupar secretarias e colocou Ismael na Assembleia Legislativa. O desentendimento de 2002 estava suplantado e dali em diante a carreira do deputado decolou. Foi reeleito em 2010, 2014 e 2018, sempre com boas votações, e em 2022 elegeu-se deputado federal.

O desentendimento com Esperidião Amin, lá em 2002, também ficou no passado. Estiveram na mesma coligação em 2018 e mais: a segunda suplente do senador é a esposa de Ismael, Denise dos Santos, nome cotado para ser candidata a vice-prefeita de Blumenau.

Essa história é a prova que político habilidoso não faz inimigos.


Ilustração: Galvão Bertazzi desenha o bom clima entre Ismael, LHS e Amin.

Os colunistas são responsáveis pelo conteúdo de suas publicações e o texto não reflete, necessariamente, a opinião do site Upiara.

Anúncios e chamada para o mailing