logo-branco.png

19 de abril de 2024

Governo do Estado lança políticas públicas de fomento às empresas de inovação

Com o propósito de “aumentar a competitividade da economia de Santa Catarina no mercado nacional e global e fomentar o desenvolvimento do setor de tecnologia e inovação”, que já representa 6% do PIB do Estado, o Governo implementará até 2026 uma série de iniciativas por meio da recém criada Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação – SCTI. Nesta quarta-feira, 22, o governador Jorginho Mello e o secretário da pasta, Marcelo Fett, apresentaram o programa “Santa Catarina Inovadora”, em coletiva de imprensa, no auditório da Secretaria de Administração, no Centro Administrativo do Governo.

– Santa Catarina tem essa vocação da inovação, mas faltava dar ao setor a visibilidade e importância que merece. Com a nova secretaria, já estamos colocando em prática um programa que vem para impulsionar ainda mais o setor. Facilitar a vida de quem empreende é uma das nossas missões – afirma o governador Jorginho Mello.

Segundo o secretário Marcelo Fett, o programa será continuamente implementado ao longo do governo.

– O programa SC Inovadora é um conjunto de ações articuladas em 7 pilares com foco na melhoria da competitividade: financiamento, ambiente legal, qualificação profissional, atração de investimentos, projetos estruturantes, infraestrutura de conectividade e ambientes de inovação. Para cada um desses fatores de competitividade, serão implementadas um conjunto de medidas nos próximos anos – expôs o secretário Fett.

Elaborado em parceria entre as Secretarias da Ciência, Tecnologia e Inovação e a Secretaria da Fazenda, o Programa coloca o setor produtivo no centro da estratégia de inovação para aumentar o impacto das ações na produtividade e competitividade econômica do estado.

– É um modelo inspirado no que foi feito em Israel e traz ações para implementar políticas públicas de fomento aos empreendedores que atuam no ecossistema de Santa Catarina – destaca Fett.

Uma das primeiras ações que será implementada já a partir do lançamento do programa é o  “Pronampe Inovação”, linha de crédito para atender as empresas do setor de tecnologia e inovação, por meio da Agência de Fomento de Santa Catarina S.A. – BADESC.

– O Pronampe inovação tem uma linha de crédito de R$ 100 milhões de reais. Planejamos que dentro de 60 dias já começaremos a disponibilizar os recursos. Estamos estruturando uma linha de crédito com juros equalizado, carência de um ano e previsão de 36 meses para pagamento. Facilitar a vida de quem empreende e inova em Santa Catarina é nosso maior objetivo – finaliza o secretário.

A Secretaria de Estado da Fazenda dará suporte à implantação do Programa Santa Catarina Inovadora. Para o secretário Cleverson Siewert, este é um importante movimento de transformação do ecossistema de inovação catarinense.

– Ao investir em programas voltados à competitividade, produtividade e fortalecimento deste ecossistema, o governador Jorginho Mello está olhando para frente, pensando e planejando Santa Catarina para os próximos 20 anos – avalia Siewert.

Nos próximos dias, o Governo do Estado irá enviar à Assembleia Legislativa de Santa Catarina, ALESC, o projeto necessário para autorizar a operacionalização da linha.

Outras seis ações articuladas comporão o programa em estruturação pela secretaria. Todas definidas a partir dos fatores de sucesso de políticas públicas de fomento ao desenvolvimento econômico do Estado a partir da inovação e para aumento da competitividade das empresas catarinenses em escala nacional e global.

– A integração entre os entes públicos e privados a fim de otimizar seus recursos, sejam eles financeiros, humanos, logísticos ou materiais dão o norte das propostas que planejamos e iremos implementar – enfatiza o secretário estadual.

O programa também inclui políticas públicas que diminuem os entraves do ecossistema de inovação catarinense, tal como dificuldades de acesso ao capital e financiamentos, bem como a falta de mão de obra qualificada.

– A falta de profissionais qualificados no mercado, a escassez de fontes de financiamentos e os elevados custos da inovação são alguns dos gargalos que serão foco das iniciativas governamentais que colocaremos em prática para fortalecer o ecossistema, em especial as startups catarinenses – diz o secretário Marcelo Fett.

O número de empresas no setor de tecnologia de Santa Catarina cresce ano a ano. Em 2016 eram pouco mais de 9 mil, atualmente são mais de 18 mil que empregam mais de 70 mil trabalhadores segundo dados da Associação Catarinense de Tecnologia – ACATE. Na comparação entre 2019 com 2020, o crescimento foi de 28,4%. Segundo o secretário, o faturamento anual das empresas do segmento está em torno de R$ 20 bilhões por ano e isso mostra a importância do setor na economia catarinense.

COMPARTILHE
Facebook
Twitter
LinkedIn
Reddit

Anúncios e chamada para o mailing