logo-branco.png

14 de abril de 2024

Pagamentos do Plano 1000 e Faculdade Gratuita dominam jantar de Jorginho com deputados estaduais

O governador Jorginho Mello (PL) reuniu 37 dos 40 deputados estaduais no jantar que ofereceu na noite de quarta-feira na Casa d’Agronômica. O encontro contou com uma apresentação da situação financeira do Estado, feita pelo secretário da Fazenda, Cléverson Siewert, e avançou sobre temas espinhosos para o governo, como a retomada dos pagamentos dos convênios das obras do Plano 1000 e a proposta de compra de todas as vagas do sistema Acafe no programa Faculdade Gratuita.

O clima foi ameno. As ausências foram anunciadas previamente – Ana Campagnolo (PL) e Paulinha (Podemos), em viagem ao exterior, e Marcos da Rosa (União Brasil), que tinha agenda no Vale do Itajaí. Os parlamentares ouviram do governador Jorginho Mello a promessa de que serão retomados os pagamentos dos convênios com os municípios para obras em andamento, suspensos desde o início do ano. A data para retomada seria dia 20 de março.

Jorginho afirmou, no entanto, que essa retomada terá novos critérios. Os deputados estaduais serão chamados para discutir as obras nas regiões em que atuam para definir prioridades – o que anda e o que paralisa. O Plano 1000 foi uma das principais marcas do governo Carlos Moisés (Republicanos) e previa repasses aos municípios para obras de infraestrutura até 2026. Jorginho fez questão de ressaltar que o momento do caixa do Estado mudou, retomando a fala de Cleverson Siewert no final de janeiro, quando apresentou um diagnóstico sobre as finanças do governo catarinense nos últimos dez anos.

O Programa Faculdade Gratuita também entrou nas conversas. O governador disse que a proposta está praticamente pronta para ser enviada ao parlamento. Ouviu o pedido do presidente da Alesc, Mauro de Nadal (MDB), de que o texto sobre apresentado aos parlamentares antes da tramitação oficial e ouviu a garantia de Jorginho de que será feita uma reunião prévia. A proposta tem custo anual estimado de R$ 2 bilhões.

O governador teria dito aos parlamentares ter consciência de que a proposta não poderá ser realizada integralmente neste primeiro semestre, por falta de recursos. Acenou com a implantação gradual da medida. Nos bastidores, os parlamentares tem recebido pressão tanto da Acafe quanto das faculdades privadas filiadas à Ampesc, que não estariam incluídas no programa.


Sobre a foto em destaque:

O jantar do governador Jorginho Mello com 37 deputados estaduais na Casa d’Agronômica não foi registrado pela Secom-SC. Esta é a escadaria do palácio. Foto: Secom-SC, Divulgação.

COMPARTILHE
Facebook
Twitter
LinkedIn
Reddit

Anúncios e chamada para o mailing