logo-branco.png

15 de julho de 2024

Entre moderar e polarizar

Dia após dia, as redes sociais consolidam seu papel vital no cenário político. A pergunta que persiste é: até que ponto elas simplesmente moldam nossas opiniões ou estão remodelando os alicerces da política de maneira mais profunda?

Vamos ser diretos. Nestas plataformas, há atores – ou influenciadores – que compartilham mensagens políticas controversas. Seu efeito é duplo: por um lado, pressionam os partidos políticos a suavizar suas posturas, especialmente em épocas de eleições gerais, para conquistar os votos dos indecisos. Por outro lado, essa influência aguça as divisões e promove debates fervorosos entre nós, cidadãos, transformando os debates virtuais em assuntos de domingo à mesa.

Não há dúvidas de que a fragmentação da mídia e a tribalização estão intrinsecamente ligadas ao processo de fragmentação política. Quanto mais nos concentramos na absorção de informações provenientes dos mesmos canais, mais propensos estamos a radicalizar nossas posições. Essa intensificação nas nossas convicções políticas é um fenômeno que se origina na transformação da oferta de canais de conteúdo e culmina em conflitos entre amigos devido a visões de mundo drasticamente distintas.

Imagine a política como uma linha, onde à esquerda e à direita estão partidos com ideias distintas sobre impostos, benefícios sociais e muito mais. No meio dessa linha, ficam os eleitores moderados, sem posições extremas, geralmente decidindo o resultado das eleições.

Contudo, quando esses influenciadores propagam mensagens políticas tendenciosas, como notícias enviesadas, os partidos são compelidos a suavizar suas posturas para conquistar os votos indecisos. No entanto, há um dilema. Enquanto isso ocorre, a sociedade se divide ainda mais. A busca incessante por atenção nas redes sociais leva esses influenciadores a radicalizar seus posts e posicionamento online. As opiniões daqueles que consomem esse tipo de conteúdo tornam-se cada vez mais extremas. É um jogo complexo. A tecnologia nos capacita a ficar mais informados sobre a política, mas também permite que o agravamento da fragmentação política distorça as informações, resultando em divisões mais profundas.

Ainda estamos longe de compreender totalmente os impactos das redes na política. Encontrar um equilíbrio entre estar informado e evitar as armadilhas é um desafio para todos que se preocupam com o futuro da democracia.

Os colunistas são responsáveis pelo conteúdo de suas publicações e o texto não reflete, necessariamente, a opinião do site Upiara.

Anúncios e chamada para o mailing