logo-branco.png

19 de abril de 2024

Projeto de Chiodini regulamenta IA na propaganda eleitoral


Upiara Comenta: O uso da inteligência artificial na campanha eleitoral, com a possibilidade de imitação de vozes e imagens de candidatos, entre outras diversas trucagens ainda nem imaginadas, vai ser um dos maiores desafios da Justiça Eleitoral. O projeto do catarinense Carlos Chiodini ajuda a construir esse debate na legislação e não apenas em resoluções do TSE.


O deputado federal Carlos Chiodini (MDB) quer levar ao Congresso Nacional o debate sobre o uso da Inteligência Artificial na Propaganda Eleitoral. O parlamentar apresentou um projeto de lei que altera a Lei das Eleições para vedar e punir o uso de IA que confunda o eleitor. Com isso, Chiodini quer “evitar problemas semelhantes e muito recentes aos que ocorreram nas eleições presidenciais da Argentina”.

– É sem dúvidas um tema muito abrangente e ao mesmo tempo muito difundido que nos leva para um caminho sem volta. Precisamos discutir com urgência isso, nos últimos anos temos acompanhado esta evolução, mais recente vimos o que ocorreu na nossa vizinha Argentina e aqui no Brasil as campanhas eleitorais tem um corpo de profissionais, de tecnologia e de estrutura ainda mais robusto. Por isso, convidamos especialistas da área para nos auxiliar na construção deste PL, para que possamos dar diretrizes para o uso da IA, com foco especialmente nas campanhas eleitorais – diz.

O parlamentar ouviu profissionais da área de marketing que atuaram em campanhas eleitorais e que acompanharam o processo argentino, além do jurista Juliano Madalena, que é doutor e mestre em direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e professor de direito Digital da faculdade do Ministério Público, que auxiliou na construção desta regulação.

– Certamente, o advento da Internet, por si só, promoveu importante impacto no exercício da democracia. A instantaneidade e a ampla disponibilidade do conteúdo são o principal e mais complexo fator. Por isso, buscamos contribuir para a construção de um projeto que possa regulamentar o uso de inteligência artificial nas propagandas eleitorais como fundamento o respeito à democracia, à boa-fé e ao reconhecimento da vulnerabilidade digital – explica.

O projeto busca garantir a privacidade, a proteção dos dados e a propriedade intelectual. Por isso é vedado o uso de sistema ou algoritmo de inteligência artificial que tenha como resultado confundir e desinformar o eleitor. Como em casos recentes com uso do rosto de uma pessoa pública em situações constrangedoras ou falas que não seriam dela, por exemplo.

É importante destacar que o uso da inteligência artificial para fins de refinamento de conteúdo não será considerado ilícito, tais como ajustes de qualidade de imagem e som, desde que suficientes para não descaracterizar o conteúdo original. A crescente utilização de deepfakes, onde a IA gera conteúdos falsos substituindo imagens reais, traz preocupações significativas para a integridade do processo democrático. Especialistas destacam a necessidade de regulamentações para prevenir abusos e danos à democracia, dado o potencial dessas tecnologias de influenciar a opinião pública e comprometer a credibilidade das instituições.

– É isso que vamos buscar. Os acontecimentos registrados na Argentina são graves e sublinham a necessidade urgente de debater e estabelecer regulamentações éticas e transparentes para o uso da IA na política. Esses eventos sinalizam que as eleições municipais de 2024 podem ser a próxima grande arena para o uso intensivo da IA com o objetivo de destruir reputações e prejudicar adversários.

Ainda, é apontada a necessidade de criação de um relatório de impacto que deverá conter, no mínimo: a descrição, pormenorizada, de cada uso ou emprego de inteligência artificial; informações técnicas que contemplem a classificação do algoritmo e da aplicação informática, o responsável pelo seu desenvolvimento e manutenção; as bases de dados utilizadas, suas descrições técnicas e responsável pela sua modelagem e/ou gerenciamento; e os possíveis impactos aos direitos fundamentais e as medidas de mitigação adotadas.

Com base nos princípios relacionados a centralidade da pessoa humana; o respeito ao estado democrático de direito; o dever de informação sobre o uso da inteligência artificial; a privacidade, a proteção dos dados e a propriedade intelectual; o combate a desinformação; a autodeterminação informativa; a liberdade de expressão, de informação, de comunicação e de opinião; e o respeito à pluralidade e a não discriminação.

Até o momento, não existe legislação brasileira vigente que de maneira transversal e coesa regule o uso da inteligência no direito brasileiro. É importante destacar que considerando que a inteligência artificial possui a capacidade de contribuir, beneficamente, para o conteúdo eleitoral, aquele que dela se utilizar deverá produzir relatório de impacto sobre o uso. A medida tem como escopo dar transparência ativa ao uso da inteligência artificial, assim como expor as medidas que serão adotadas pelo interessado para fins de mitigar o risco aos direitos fundamentais.



Carlos Chiodini na Câmara dos Deputados. Foto: Divulgação.

COMPARTILHE
Facebook
Twitter
LinkedIn
Reddit

Anúncios e chamada para o mailing