logo-branco.png

14 de abril de 2024

Joares Ponticelli, de Tubarão, é o sétimo prefeito preso na Operação Mensageiro

O prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli (Progressistas) é o alvo da terceira etapa da Operação Mensageiro, do Gaeco, que investiga irregularidades na contratação de empresas de coleta de lixo em diversas cidades catarinenses. De acordo com informação confirmada pela jornalista Dagmara Spautz, da NSC, ele o vice-prefeito Caio Tokarski (União Brasil) foram presos na manhã desta terça-feira na terceira fase da operação.

Além dos mandados de prisão, foram cumpridas ordens de busca e apreensão em endereços residenciais e na prefeitura de Tubarão.

No início de fevereiro, na segunda etapa da Operação Mensageiro, foram presos preventivamente os prefeitos de Lages, Antônio Ceron (PSD), e de Capivari de Baixo, Vicente Corrêa Costa (PL). A operação do Gaeco foi deflagrada em 6 de dezembro do ano passado, quando foram presos os prefeitos Deyvison Souza (Mdb, de Pescaria Brava), Luiz Henrique Saliba (Progressistas, de Papanduva) e Antônio Rodrigues (Progressistas, de Balneário Barra do Sul), no Litoral Norte. Dias depois, seria a vez de Marlon Neuber (PL), de Itapoá, foi detido ao desembarcar das férias no aeroporto de Curitiba.

A Operação Mensageiro investiga os contratos em 20 cidades catarinenses: Lages, Imaruí, Pescaria Brava, Braço do Norte, Tubarão, Capivari de Baixo, Agrolândia, Imbituba, Ibirama, Presidente Getúlio, Três Barras, Corupá, Itapoá, Schroeder, Guaramirim, Papanduva, Balneário Barra do Sul, Major Vieira, Canoinhas, Bela Vista do Toldo. Entre as suspeitas, fraude em licitação, corrupção ativa e passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro relacionadas à coleta e destinação de lixo.


Sobre a foto em destaque:

Joares Ponticelli é o sétimo prefeito catarinense preso na Operação Mensageiro. Foto: Rodolfo Espínola, Agência AL.

 

COMPARTILHE
Facebook
Twitter
LinkedIn
Reddit

Anúncios e chamada para o mailing