logo-branco.png

15 de julho de 2024

Prefeitos de Pescaria Brava, Papanduva e Capivari de Baixo são os primeiros réus da Mensageiro

Três novos prefeitos viraram réus na Operação Mensageiro, que investiga irregularidades em licitações e contratos com empresas de coleta de lixo de diversos municípios catarinenses. Outros quatro prefeitos, presos preventivamente, aguardam análise do Tribunal de Justiça, que será feita ainda no mês de abril. As informações são do NSC Total.

Na quinta-feira, os prefeitos Deyvisonn Souza (MDB), de Pescaria Brava; Luiz Henrique Saliba (PP), de Papanduva e Vicente Corrêa Costa (PL), de Capivari de Baixo, tiveram as denúncias aceitas e viraram réus por corrupção passiva.

Além deles, as investigações coordenadas pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) levaram à prisão preventiva dos prefeitos Antônio Rodrigues (PP), prefeito de Balneário Barra do Sul; Marlon Neuber (PL), prefeito de Itapoá; Antônio Ceron (PSD), prefeito de Lages e Joares Ponticelli (PP), de Tubarão.

De acordo com o Tribunal de Justiça, o processo seguirá para a fase em que a defesa apresenta provas e indica testemunhas. Os réus também poderão ser ouvidos novamente. Sem data definida, o caso será julgado pela 5ª Câmara Criminal.

Em nota, o advogado de defesa do prefeito de Papanduva, Manolo Rodriguez Del Olmo, informou que a denúncia já era esperada e que o prefeito irá provar sua inocência no decorrer do processo.

– O recebimento da denúncia requer menos indícios do que a decretação de prisão preventiva. Considerando que ele está preso preventivamente desde 06 de dezembro de 2022 por indícios que o Juízo entendeu presentes, era previsível que a denúncia fosse recebida. Ao menos agora ele pode se defender no âmbito da ação penal. Provará sua defesa e será absolvido – diz a nota.

Já o advogado de defesa do prefeito de Capivari de Baixo, Eduardo Faustina da Rosa, informou que provará a inocência do chefe do executivo, já que a licitação e o contrato com a empresa foram feitos na gestão anterior.

— Durante a instrução criminal a defesa provará a inocência, bem como que ele não integra organização criminosa, tão pouco praticaram qualquer crime de corrupção, principalmente porque a licitação e o contrato público foram feitos na gestão anterior.
O advogado Pierre Vanderlinde, que defende o prefeito de Pescaria Brava, também informou que esperava o recebimento da denúncia e que, agora, trabalha para a produção de provas que possam ajudar na defesa do réu.

– Havendo indícios mínimos a denúncia é recebida. Isso é a praxe processual. Já imaginávamos que isso ocorreria. O recebimento, contudo, não é o reconhecimento de que o réu seja culpado. Os fatos serão detidamente analisados na ação penal, com possibilidade de produção de provas em sua defesa. Seguimos confiantes na inocência e na Justiça.

A previsão é de que as alegações contra Antônio Rodrigues, Marlon Neuber, Antônio Ceron e Joares Ponticelli sejam analisadas pela 5ª Vara Criminal do TJ em 27 de abril.

COMPARTILHE
Facebook
Twitter
LinkedIn
Reddit

Anúncios e chamada para o mailing