logo-branco.png

15 de julho de 2024

Cadorin na Live do Upiara: Não tenho receio de me aproximar de quem tem diferenças”

O PL convidou as principais lideranças do Novo em Santa Catarina a migrarem para o partido liderado pelo governador Jorginho Mello. A afirmação foi feita pelo deputado estadual Matheus Cadorin (Novo), entrevistado da última terça-feira na Live do Upiara no Jazz Inn. O parlamentar garantiu que não muda de partido e acredita que essa também será a posição de nomes como o prefeito joinvilense Adriano Silva, o promotor Odair Tramontin e o ex-deputado estadual Bruno Souza – todos sondados pelo governador.

– Não apenas ele [Adriano], mas o Bruno Souza foi sondado, o Tramontin, eu mesmo fui sondado. Não tem nenhuma conversa concreta sobre o assunto e eu duvido que algum mandatário do Novo abandone o partido. Falam que não poderíamos mais usar o fundão, mas já não usamos; que não teríamos tempo de TV, mas já não temos. Não tem nenhuma conversa concreta sobre o assunto.

As dificuldades, no entanto, fariam com que o Novo precise repensar estratégias para as eleições municipais de 2024 – além do futuro do partido em Santa Catarina como um todo. Coligações, um tema que muitos dos candidatos da sigla são contrários, voltam a ser pauta estratégica para retomar lugares perdidos em 2022.

– Coligações, assim como outros assuntos, foram tratados num encontro nacional dos mandatários do Novo em Brasília no fim do ano. Sofremos alguns reveses na eleição passada e isso nos levou a conversar sobre alguns dos diferenciais do partido. O Zema fez coligação em Minas e se elegeu com facilidade no primeiro turno. É uma conversa que tem que ser pontual, cada caso é um caso. Em cidades em que precisamos de mais tempo de TV, ou mais importante, participar dos debates, é algo que será discutido.

Contrariando as últimas presenças do Novo na Assembleia Legislativa, o recém-eleito deputado estadual promete um mandato aberto ao diálogo com a bancada de esquerda – a níveis republicanos, em prol de pautas-chave de interesse do Estado. Segundo ele, um bloco formado por partidos de centro-direita foi formado para distribuição das comissões do parlamento. Este é composto pela bancada do Podemos, além de Sérgio Mota, do Republicanos. Todavia, citando conversas com a deputada Carminatti (PDT) e Marquito (PSOL), diz que não é combativo, mas procura o “diálogo aberto.

– Será uma candidatura onde vamos trabalhar nossas diferenças e discutir pautas importantes. Não tenho receio de me aproximar de quem tem diferenças, o importante é que possamos discutir essas ideias e votar no que for mais importante para o catarinense. Vou ter um diálogo aberto a todos que estiverem dispostos. Não sou uma pessoa combativa, mas sei defender muito bem. As pautas do Novo, defenderemos com unhas e dentes.

Assista à Live do Upiara completa:

COMPARTILHE
Facebook
Twitter
LinkedIn
Reddit

Anúncios e chamada para o mailing